< retorna

 Criança e adolescentes, Municípios e segurança pública, Violência contra a mulher

Segurança pública e vulnerabilidade de mulheres e crianças: os municípios podem fazer algo a respeito?

Autor(es)/Pesquisador(es): Jacqueline Isaac Machado Brigagão, Fernando Burgos Pimentel dos Santos, Samira Bueno Nunes, Sofia Reinach, Melina Rombach, Sofia Von Mettenheim, Caio Valiengo e Marco Antonio Carvalho Teixeira
Tags: , , , , , , , , ,
Tipo de publicação:  Artigo, Relatório de pesquisa
Ano da publicação: 2014
Formato: Pdf


O objetivo da pesquisa foi realizar o mapeamento das redes de enfrentamento à violência contra mulheres, crianças e adolescentes em três municípios brasileiros: Campinas (SP), Vitória (ES) e Salvador (BA). Para tanto, foram identificados os fluxos de atendimento dos diversos serviços/equipamentos que compõem essas redes, as ações e práticas desenvolvidas e as principais dificuldades enfrentadas no cotidiano das vítimas de violência. Para contextualizar os dados e desenhar um panorama da notificação da violência realizou-se uma analise quantitativa do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), do Ministério da Saúde, do número de crianças, adolescentes e mulheres vítimas de violência registrado no período de 2009 a 2012, nos três municípios pesquisados. Optou-se pela triangulação metodológica, ou seja, o uso de métodos quantitativos e qualitativos, a fim de ampliar a discussão apresentada. As três cidades foram visitadas, o que possibilitou a realização de entrevistas e observações, registradas nos diários de campo dos pesquisadores e analisadas posteriormente. As análises indicam que há nos municípios estudados índices preocupantes de violência e serviços/equipamentos que compõem as duas redes de enfrentamento, alguns dos quais ainda frágeis. Nas três cidades há dificuldades de organização dos serviços de modo a garantir fluxos e ações articuladas em rede. Mas há também iniciativas inovadoras desenvolvidas pelos municípios ou em parceria com esses, o que demonstra a importância da integração das ações desenvolvidas no local.

Publicação cadastrada em: 6 de setembro de 2017

ACESSE A PUBLICAÇÃO

Publicações relacionadas